SP foi o estado que mais recebeu profissionais do Mais Médicos

04/08/2014

Programas federais

São Paulo foi o Estado que mais recebeu profissionais do Programa Mais Médicos. Foram 2.187 pedidos para atuação em 344 municípios (53,3% do total do estado), como o Vale do Ribeira, periferia de São Paulo e outros centros importantes como Campinas, Ribeirão Preto e Bauru. A demanda foi totalmente atendida pelo programa, beneficiando 7,5 milhões de pessoas.

Em São Paulo, os investimentos federais na área da Educação também são bastante significativos. O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), efetuou 1,2 milhão de matrículas em 295 municípios, atendendo majoritariamente mulheres (52%), negros (42%) e jovens (62,6%). Já o Programa Universidade para Todos (Prouni) concedeu 435,7 mil bolsas, sendo 53% para mulheres, 40,9% para negros e 68,7% para jovens.

O programa Minha Casa Minha Vida atenderá 624.827 famílias em São Paulo. Deste total, 310.235 casas já foram entregues e outras 314.592 já estão contratadas. O Governo Federal investiu mais de R$ 17 bilhões, somados a outros quase R$ 27 bilhões em financiamentos.

O programa Luz Para Todos permitiu 3.624 ligações, das quais 763 alcançaram famílias extremamente pobres. Até 2010, haviam sido realizadas 85.795 ligações, com investimentos federais que superam R$ 332 milhões.

Os investimentos por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) permitiram uma série de avanços no estado, inclusive com a conclusão do Rodoanel.

No total, foram investidos, direta ou indiretamente, R$ 446 bilhões. Este valor foi aplicado, por exemplo, na aquisição de 1.563 equipamentos como retroescavadeiras, motoniveladoras e caminhões caçamba. Esses equipamentos foram destinados a 521 municípios para cuidarem das estradas vicinais, aquelas menores, que contribuem para o escoamento da produção do estado.

Também receberam montantes consideráveis, por meio do PAC, em São Paulo, o setor petroleiro (R$ 54,6 bilhões), mobilidade urbana (R$ 24,7 bilhões), transmissão de energia elétrica (R$ 21,3 bilhões), aeroportos (R$ 14 bilhões) e rodovias (R$ 14,7 bilhões).

Fonte: Agência PT de Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *