Suspeitos de favorecem a COAF em contrato fraudulento são convocados na CPI da Máfia da Merenda

25/10/2016

CPI da Máfia da Merenda

Crédito:

Suspeitos de envolvimento com máfia da merenda, Yuri Keller e Sebastião Misiara serão ouvidos na CPI

Na sequência das oitivas dos depoimentos dos envolvidos nas denúncias de fraude da merenda no governo Alckmin, a CPI da Máfia da Merenda ouvirá nesta quarta- feira, 26/10, Yuri Keller Martins e Sebastião Misiara, a partir da 9 horas, na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Yuri Keller é integrante Comissão de Credenciamento do DAA (Departamento de Alimentação e Assistência ao Aluno) da CISE (Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Escolares da Secretaria Estadual da Educação). Uma das atribuições do setor era avalizar licitações e contratos.

Em 2014, Yuri foi responsável pela avaliação da Chamada Pública que contratou a Cooperativa COAF (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), pivô do esquema de corrupção e pagamento de propina na administração do governo do Estado e prefeituras.

Segundo apurações preliminares da Operação Alba Branca e da Corregedoria da Administração Pública do Estado, Yuri comandou o processo seletivo que burlou as regras legais ao elaborar o preço do suco de laranja com base em apenas dois orçamentos apresentados. E também, como presidente da Comissão de licitação, ter suspendido a sessão de Chamamento Público e solicitado à COAF readequação de sua proposta para participar do certame.

Outra suspeita de irregularidade nas ações do servidor é relativa à falta de checagem dos documentos apresentados pela COAF para o chamamento, documentos comprovadamente falsos, como o registro junto à OCESP (Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo) e o laudo bromatológico – que certifica a qualidade do produto.

Sebastião Misiara, presidente da Uvesp (União dos Vereadores do Estado de São Paulo), teria sido responsável pela mediação de contratos com prefeituras. Entre as destacadas estão Santos, Barueri, Cotia e Americana, além da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo.

De acordo com depoimento de Cássio Chebabi, presidente da COAF, ao Ministério Público Estadual, Misiara chegou a pagar o aluguel de uma sala comercial na capital paulista para tratar do esquema, fato que gerou, inclusive, um desentendimento entre o presidente da Uvesp e Chebabi.

Misiara foi o fiador da locação e pagou aluguel referente a cerca de 12 meses. Como Chebabi não quitou a dívida, ele ingressou com ação de cobrança na Justiça em Bebedouro contra a Cooperativa.

Rosário Mendez

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.