Tucanos obstruem Comissão na Assembleia

08/02/2012

Direitos Humanos

Tucanos obstruem Comissão de Direitos Humanos na Assembleia

Os requerimentos apresentados na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia que tratavam da convocação de agentes do Estado e convite ao representante do Poder Judiciário, que comandaram a desapropriação do Pinheirinho, foram obstruídos pelo PSDB, que designou o deputado Ari Fossen, integrante da Comissão para pedir vistas ao requerimento, como meio de manobra para que o item seja excluído da pauta da reunião.

O documento, de autoria do deputado Adriano Diogo, presidente da Comissão de Direitos Humanos, propôs a convocação do Coronel da Polícia Militar Manoel Messias e do Dr. Fábio Cesnik, delegado responsável pela Delegacia Seccional de São José dos Campos, para prestar esclarecimentos e apurar os fatos ocorridos na área do Pinheirinho, durante a desocupação de 1700 famílias.

Para os petistas é necessário ouvir estes agentes para que seja elucidado o porquê da operação ter sido conduzida com tamanha violência e ainda após a desapropriação terem sido adotadas medidas para ocultar informações sobre pessoas feridas, uma vez que somente dias depois do fato é que deputados e entidades de direitos humanos conseguiram localizar vítimas dos ataques da polícia durante a despejo.

PT busca apoio para pedido de CPI

A Bancada do PT, por meio de uma iniciativa do deputado Marco Aurélio apresentou um pedido de CPI do Pinheirinho e já coleta assinaturas dos deputados para protocolar a proposta. Até o momento foram coletadas 27 assinaturas, para o protocolar o pedido são necessárias 32 assinaturas, os deputados do PT tem buscado sensibilizar os parlamentares da base, em busca de apoio para que sejam apuradas as responsabilidade e apoio para as famílias reconstituírem suas vidas.

“Eles jamais poderiam derrubar as casas na desapropriação, o que fizeram ali foi totalmente ilegal e desumano, as pessoas estão sem documentos, crianças sem escolas, idosos sem medicamentos, suas vidas e rotina foram desmontadas, agora estão amontoados num alojamento” apontou Marco Aurélio.

Para o deputado o poder público não deve dar atendimento coletivo com vem fazendo, “é necessário ver caso a caso, cada família tem uma necessidade específica, algumas têm bebê; – precisam de fraudas, outros tem idosos, as crianças precisam ir a escola. Enfim, é preciso levar agentes para mapear e dar atendimento adequado aos desalojados, pois eles estão nesta situação provocada pela ação dos governos municipal e estadual”, destacou o parlamentou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *