Unidades de Conservação Ambiental paulistas é tema de debate, dia 16

15/06/2009 14:28:00

Meio Ambiente

Crédito:

Experiência bem-sucedida de Reserva de Desenvolvimento Sustentável no Amazonas que pode orientar as comunidades que vivem em Unidades de Conservação Ambiental no Estado de São Paulo será relatada no seminário “Reserva de Desenvolvimento Sustentável: Gestão Participativa e Integração dos Povos da Amazônia e Mata Atlântica”, que acontece no dia 16 de junho, às 14 horas, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. A iniciativa é da Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Assembléia paulista, da União dos Moradores da Juréia e da Liderança do PT.

RDS Mamirauá e Unidades paulistas

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSM) criada em 1990 como Estação Ecológica pelo Governo do Estado do Amazonas, foi transformada na categoria Reserva de Desenvolvimento Sustentável em 1996, também pelo Governo Estadual. Seu objetivo é proteger as várzeas da confluência dos rios Solimões e Japurá, no coração do Estado do Amazonas, próximo a cidade de Tefé.

A criação da RDS permitiu que as populações locais não fossem removidas, e sim envolvidas num processo participativo que objetiva garantir a melhoria do padrão de vida local  por meio do manejo e proteção da biodiversidade . As comunidades locais estão envolvidas nas atividades de pesquisa, extensão e manejo da unidade, ocupando uma posição estratégica nos processos de tomada de decisões. Esta foi uma experiência inédita no Brasil que começa a frutificar em outras unidades de conservação.

Representantes das comunidades de Mamirauá virão relatar suas experiências e participar do debate sobre a situação das comunidades que vivem em Unidades de Conservação Ambiental no Estado de São Paulo.

As principais unidades de conservação ambiental do Estado de São Paulo foram criadas antes da implantação do SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação – sem levar em conta as populações que lá viviam há décadas. Isto provocou o surgimento de um grande conflito social pois o caráter de conservação integral dos Parques e Estação Ecológica não permite a convivência de moradores em seu interior. Entretanto, duas situações conflituosas começaram a ser equacionadas com a criação dos Mosaicos de Unidades de Conservação implantados em substituição ao antigo Parque Estadual de Jacupiranga e à antiga Estação Ecológica Juréia-Itatins.

PROGRAMAÇÃO

Data: 16 de junho de 2009

Local: Auditório Franco Montoro – Assembleia Legislativa de São Paulo

14 horas – Abertura

14h30 – Palestra: RDS na Amazônia – a experiência de Mamirauá 

Palestrante: Liderança da comunidade de Mamirauá – 30 minutos

15 horas – Mesa de debates: Perspectivas de RDS na Mata Atlântica 

Mediador: Julio Barbosa – Conselho Nacional dos Seringueiros

Debatedores:

 

 

 

 

União dos Moradores da Juréia – Arnaldo Neves Junior

Secretaria Estadual do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente – Marcos Dal Fabro

Universidade de São Paulo – Prof. Marcos Sorrentino

16 horas – Debates

16h30 – Encerramento

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *