USP compra órgão de catedral por R$ 5,6 mi

06/10/2014

Onde colocar?

Os 3.375 tubos de um órgão de catedral europeu, encomendado pela USP ao preço de R$ 5,6 milhões, ainda não soaram seus timbres transcendentais no auditório do Centro de Convenções da Cidade Universitária. Nem vão.

É que as obras do centro, que já consumiram R$ 34 milhões, foram paralisadas em meio à crise orçamentária da maior universidade do país. E o órgão segue encaixotado.

Para contornar a situação, a USP afirma que vai instalar o órgão no Centro de Difusão Internacional, mas não informou quando isso será feito.

Especialistas consultados pela Folha afirmam que, para a criação de um órgão como esse, é necessário um minucioso estudo acústico da sala ou auditório que irá abrigá-lo. Se for transferido para outro local, será preciso uma adaptação, com o objetivo de não comprometer o “resultado sonoro” do instrumento.

Outro órgão

Desde 2005, um outro órgão, de 3.200 tubos, doado à instituição por uma senhora paulistana, está em um container e se deteriora em um depósito do campus.

Único professor de órgão da universidade, José Luís de Aquino afirma não ter feito parte do grupo que decidiu pela compra do novo instrumento musical.

Foi Aquino, concertista que já se apresentou em diversos países ao redor do mundo, quem intermediou a doação. Mas ele afirma que nunca conseguiu fazer com que o órgão fosse instalado.

Preço

João Grandino Rodas, reitor à época da compra, feita em maio de 2013, defende a aquisição. Rodas afirma que o novo instrumento não custou “nem R$ 2 milhões”.

Segundo o Diário Oficial de 16 de maio de 2013 (quando Rodas ainda era o reitor da USP), o contrato de compra, envio e instalação chegou a R$ 4,5 milhões. Depois de somadas despesas com câmbio de moeda, embarque, seguro e alfândega, o valor total alcançou R$ 5,6 milhões, de acordo com a assessoria de imprensa da universidade.

O órgão foi encomendado à empresa de origem alemã Gerhard Grenzing, que já fez instrumentos para catedrais europeias famosas, como a de Bruxelas e a de Sevilla.

Hoje, a fábrica da Grenzing está instalada na Catalunha (nordeste da Espanha). O forte da empresa, com apenas 18 funcionários, são órgãos históricos, mais especificamente os próprios para música ibérica. A empresa também fabrica instrumentos ecléticos, nos quais se pode tocar todo tipo de música, contemporânea inclusive.

Um documento da reitoria da Universidade de São Paulo, ao qual a Folha teve acesso, justifica a compra: defende que o instrumento novo, de “porte sinfônico”, seria necessário para a realização de concertos no novo edifício, o que permitiria que estudos e apresentações atingissem público maior. Diz ainda que o órgão doado à instituição é de menor porte e mais antigo (ele é de 1951). Assim, só se “prestaria bem ao ensino”.

Restauro

Segundo Daniel Rigatto, da Rigatto e Filhos, fábrica de órgãos com sede na Lapa (zona oeste) sua empresa foi chamada para avaliar o órgão doado em 2005, mas a USP não solicitou orçamento para o restauro. Pelos seus cálculos, isso custaria “no máximo R$ 1,8 milhão”.

O valor gasto no novo órgão é próximo aos R$ 6 milhões que a universidade vai economizar, ao ano, com o corte de gratificações, horas extras e benefícios acima do teto definido pela Constituição. A medida foi anunciada pela instituição na última quinta-feira (2/10).

Fonte: jornal Folha de S. Paulo

Leia mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.