Usuários da CPTM sofrem com superlotação e falta de planejamento do Estado

13/09/2011 14:33:00

Incompetência

 

Quem depende dos trens da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – sofre com a superlotação do sistema, agravada por intervalos excessivos entre as composições, inclusive nos horários de maior movimento. Na Linha 7-Rubi, que liga a Estação Luz, no centro, a Jundiaí, no interior, as pessoas precisam se espremer nos vagões para seguir viagem durante o pico da manhã. Ali, há, em média, 8,4 pessoas por metro quadrado – o ideal, considerado confortável, é de até 6 usuários.

O aumento de usuários é explicada por novas conexões com o Metrô, como, por exemplo, a que passou a existir em junho com abertura da transferência entre as estações Pinheiros da Linha 4-Amarela e da CPTM.

Outro dado que ilustra bem esse fenômeno é o grande aumento de conexões feitas na Estação Santo Amaro, que liga a rede de trens à de metrô na zona sul. Em média, o número diário de passageiros baldeando ali em agosto foi 44% maior do que no mesmo mês do ano passado. Atualmente, são 66,2 mil transferências por dia.

Isso aconteceu porque naquela estação, o passageiro da Linha 5-Lilás pode fazer a transferência para a Linha 9-Esmeralda da CPTM e, posteriormente, chegar à Linha 4 (na Estação Pinheiros), acessando assim o resto da rede metroviária.

Segundo a CPTM, o número de pessoas que usam conexões com o metrô crescerá a partir de quinta-feira, quando serão entregues as estações República e Luz da Linha 4, inclusive com uma nova interligação com a CPTM, na Luz. Desta forma, 100 mil pessoas serão beneficiadas, disse a estatal.

Falta planejamento

Para o governo do Estado, a crescente lotação das seis linhas da CPTM se explica pela ampliação metroviária e pela modernização da rede.

No entanto, Horácio Augusto Figueira, consultor em engenharia de transportes, explica que paralelamente à criação de novas conexões, a rede de trens deve passar a oferecer intervalos menores entre as composições, para absorver o fluxo de passageiros.

Na linha com o maior número absoluto de passageiros por dia, a 11-Coral, da Luz a Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, os usuários dizem esperar até três trens para embarcar no rush. “Às 17h fica difícil entrar, porque o trem chega lotado”, diz a autônoma Elizabeth Oliveira, de 54 anos. “Não adianta ter ar-condicionado se os trens andam abarrotados”, diz a educadora Amanda Lovato, de 28, que vai de Itaquera ao Brás.

Com 568 mil passageiros/dia, a linha tem duas vezes mais usuários do que a Linha 5 do Metrô. A CPTM informou que as seis linhas passam por modernização e que, neste ano, os investimentos são de R$ 1 bilhão.

fonte: Jornal daTarde

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.