Voto contra o povo

17/03/2008 17:33:00

Segurança Pública

 

 

Na reunião da Comissão de Segurança Pública de 12 de março, entre os 19 itens pautados encontravam-se três requerimentos de convocação que tinham como objetivo cumprir a importante e indispensável atribuição dos deputados de fiscalizar os atos da administração pública.

Um deles, de autoria dos deputados Simão Pedro e Vanderlei Siraque, requeria a convocação do Dr. Hideaki Kawata, diretor do Instituto Médico Legal (IML), para prestar esclarecimentos sobre as razões da classificação, nas estatísticas policiais, de eventuais casos de homicídios dolosos como sendo casos de “intenção indeterminada”, fato que poderia contribuir para alterar as estatísticas dos crimes de homicídios dolosos.

Outro, de autoria dos mesmos deputados, requeria a convocação do Secretário da Segurança Pública para prestar informações a respeito da colocação à disposição do Secretário Adjunto da Segurança Pública, de nove policiais para, no período de 19 de janeiro a 10 de fevereiro de 2008, cuidarem da segurança de sua ex-mulher e da filha.

O terceiro, de autoria do deputado Olimpio Gomes, requeria a convocação não só do Secretário da Segurança Pública e de seu adjunto, mas também dos policiais que foram colocados à disposição da ex-mulher do adjunto, para que todos prestassem informações a respeito do episódio.

Para a Bancada do PT, é fato público e notório que a segurança de todos os paulistas está seriamente comprometida, e já faz tempo, e uma das razões dessa insegurança é a falta de policiais no policiamento preventivo ostensivo, portanto, é inconcebível que sejam disponibilizados 9 policiais militares para dar segurança a ex-mulher de um secretário adjunto. O assunto merecia, por parte dos deputados, uma apuração de modo a prestar contas à sociedade.

Em nome da moralidade e do respeito à sociedade paulista, esperava-se que os três requerimentos fossem aprovados por unanimidade, porém, pasmem, os três foram rejeitados, por 4 votos a 3. Votaram a favor da apuração, portanto a favor da moralidade, da seriedade e do respeito à sociedade os deputados Vanderlei Siraque, Olimpio Gomes e Conte Lopes e contra a apuração, portanto contra a moralidade, contra a seriedade e num evidente ato de desrespeito à sociedade, os deputados Jorge Caruso, Antonio Carlos, Said Mourad e João Barbosa, todos integrantes da bancada governista na Assembléia Legislativa de São Paulo.

Não temos nenhuma dúvida quanto ao fato dos deputados que votaram contra a apuração terem assim procedido em obediência à ordem do Palácio dos Bandeirantes, e isso é muito grave, pois evidencia que o governo de São Paulo não está interessado em apurar irregularidades ocorridas na administração.

A derrota da moralidade na votação ocorrida na Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa foi vergonhosa e não deixa margem de dúvida quanto ao fato dos deputados governistas estarem fechando os olhos à todas as irregularidade cometidas no governo do Estado de São Paulo.       

Assessoria de Segurança Pública

Liderança do PT – Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo                              

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *