Zona Leste tem a audiência pública mais concorrida

24/06/2010 16:18:00

Orçamento 2011

 

A região de São Miguel Paulista, Zona Leste da Capital, realizou nesta quarta-feira (23/6) a última, e mais concorrida, audiência pública para discutir o Orçamento do Estado para 2011. As audiências são uma iniciativa da Comissão de Finanças e Orçamento da Assembleia Legislativa, da qual fazem parte os deputados petistas Enio Tatto e Adriano Diogo.

O deputado Simão Pedro afirmou que o Orçamento é a principal lei aprovada na Assembleia. “Mas ela vem num pacote pronto. O governo exige da sua base que a aprove como veio”. Para o deputado José Zico Prado, “não há democracia sem discussão do Orçamento”.

Nenhum deputado da base governista compareceu, nem mesmo o presidente da Comissão, deputado Mauro Bragatto. O deputado Adriano Diogo presidiu os trabalhos e fez questão de lembrar que aquela audiência foi um pedido da própria comunidade à Comissão. E o deputado Enio Tatto acrescentou: “A Zona Leste tem uma história de luta. Tudo aqui foi conquistado por meio de muita luta.”

E foi nesse espírito que cerca de 300 pessoas estiveram presentes à audiência. A líder comunitária Dona Neusa pediu urbanização de favelas e apoio do Estado para a construção de creches. “Nossas crianças estão abandonadas. Precisamos de pelo mesmos três creches por distrito da Zona Leste, o que totaliza 99 creches”.

Ainda na Educação, foi solicitada a instalação de uma Unesp na região e parceria com a USP Leste para que os alunos estudem os problemas locais e apontem soluções “É a universidade cumprindo seu papel social”, afirmou o prof. Valter de Almeida Costa, do Fórum de Desenvolvimento da Zona Leste.

A falta de segurança na região foi lembrada por Luis França, do movimento Nossa Zona Leste. “Não somos prioridade para o governo do Estado, porque somos periferia”, indignou-se Luis, que pediu um Fórum de Justiça para cada distrito e 33 bases de segurança comunitária.

Neto, da Pastoral da Moradia, reivindicou 20 mil moradias para famílias com até três salários mínimos. “A Zona Leste tem 4 milhões e 200 mil habitantes, ou seja, 10% da população do Estado, e não vem verba da Habitação para cá”, afirmou. Lideranças comunitárias do Jardim Pantanal, que ficou alagado durante os meses das chuvas, também exigiram do Estado uma solução para as 28 mil famílias atingidas.

Também foram solicitadas obras de combate às enchentes e desassoreamento do Rio Tietê da Barragem da Penha até Itaquaquecetuba.

Transporte foi outra grande reivindicação: ampliação do metrô, mais trens na linha F da CPTM, implantação de sistema ferroviário entre a Jacu-Pêssego e Guarulhos, além de melhorias no sistema viário.

Ao final, o Padre Ticão, liderança local e um dos responsáveis pela iniciativa dessa audiência, propôs: “Daqui um ano quero que todos voltem aqui para avaliarmos o que foi discutido hoje, o que realmente veio para a Zona Leste”. 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.