ARMAS E AMEAÇAS: ALESP VIVE CLIMA DE MEDO
ARMAS E AMEAÇAS: ALESP VIVE CLIMA DE MEDO

Nos últimos meses, a Assembleia Legislativa tem assistido à escalada de discursos de ódio e de apologia à violência. Diariamente, são vocalizadas na tribuna expressões que estimulam o uso da força e do arbítrio como solução para problemas sociais complexos. Entretanto, nesta quinta-feira, 2 de maio, as ameaças e constrangimentos ultrapassaram todos os limites de convívio civilizado.

Dois parlamentares do PSL utilizaram a tribuna para fazer ameaças contra pessoas que venham a se manifestar nos gabinetes. Primeiro Gil Diniz (PSL), ao comentar manifestação de professores e acusar a deputada professora Bebel de incitá-los a ir aos gabinetes fazer pressões, disse: “Vou deixar um recado. Se ousarem invadir nosso gabinete, vão ter a resposta devida. O agente Danilo Balas (deputado do PSL) estava aqui armado, pois tem porte de armas…  Vagabundo que entrar no gabinete para agredir assessor e parlamentares vai ter pronta resposta”.

Em coro com Diniz, o deputado Adalberto Freitas (PSL) disse que referendava a fala do companheiro de partido. “No meu gabinete, tenho duas pessoas armadas, que me defendem. Se forem lá, no terceiro andar, sala 3109, peça para alguém ir lá, e vou deixar isso aqui acertado, senhor presidente, se acontecer algum acidente nesta casa, se eu tiver de defender minha integridade e acontecer algum problema de morte, a culpa vai ser da senhora”, ameaçou, dirigindo-se à deputada professora Bebel, presidente da Apeoesp.

As ameaças feitas pelos dois deputados não podem ser toleradas em uma casa parlamentar, a caso do povo, onde cidadãos e representantes de movimentos sociais se manifestam e exercem seu legítimo direito de pressionar seus representantes. Afora isso, cabe às assessorias das polícias da Casa garantir a segurança das pessoas.

Frente às ameaças do PSL, a Bancada do PT fará a denúncia formal ao presidente da Casa, deputado Cauê Macris, e representará os deputados ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa. O partido também cobrará a instalação de detector de metais no Plenário da Casa, para inibir a entrada de armas como determina o regimento interno da Casa.

Gabinetes não são propriedade privada nem latifúndios para serem defendidos à bala. São espaços de uma instituição pública que não pode ficar à mercê de atiradores ou de milícias. O enfrentamento a essa ameaça é um dever dos cidadãos que prezam pelo democracia e valores republicanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *