CDHU NA GESTÃO DORIA ENTREGA OBRA INACABADA E MANTÉM COBRANÇA NA PANDEMIA
CDHU NA GESTÃO DORIA ENTREGA OBRA INACABADA E MANTÉM COBRANÇA NA PANDEMIA

A suspensão da cobrança das prestações dos mutuários da CDHU, assim como as reintegração de posse abriram as indagações ao secretário estadual de Habitação, Flávio Amaury, que foi recebido nesta segunda- feira, 22/6, na Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Luiz Fernando Teixeira.
A grave situação econômica do país, acentuada pelos reflexos do coronavírus, foi colocada pelo deputado, que apontou que vários parlamentares trouxeram esta preocupação nas discussões na Alesp e mencionou seu companheiro de partido, deputado Dr. Jorge do Carmo, que também fez gestões para que a CDHU não executar juridicamente os inadimplentes.
O petista Luiz Fernando questionou o secretário sobre os procedimentos de transparência no sistema de sorteio digital de imóveis, que, segundo informou o secretário Amaury, ocorrem no centro da capital paulista e são auditados.
De acordo com o secretário, neste ano foram feitos 68 sorteios, que distribuíram 8 mil casas.
Outras questões tratadas na reunião foram a falta de fiscalização na obras da CDHU, que têm sido entregues sem obras de acessibilidade, sem acabamento, com a caixa d’ água fora do padrão, entre outros problemas encontrados no conjunto habitacional Rubens Lara de Cubatão.
O deputado Dr. Jorge do Carmo, que também integra a Comissão de Infraestrutura, deu ênfase a necessidade de a CDHU dar isenção da prestação neste momento da pandemia. Ele lembrou o exemplo da Sabesp, que também é uma empresa de capital misto e,  desde do início do isolamento social, suspendeu a cobrança da tarifa social.
A ausência de título de propriedade , da emissão da certidão aos mutuários que quitaram o financiamento, foi uma das cobranças apresentadas por Dr. Jorge, que citou os conjuntos de Costa Norte, Fazenda do Carmo, Guianases C, Iguatemi, São Matheus, em que seus mutuários vivenciam o mesmo problema.

Segundo o secretário, a Companhia está avançando para sanar esta questão e alegou desconhecer os problemas das obras inacabadas. Quanto à suspensão da cobrança das prestações, o secretário disse que a CDHU não pode aplicar a medida para todos e argumentou que os recursos das prestações são aplicados na execução das obras e programas da empresa.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *