CENA POLÍTICA – QUARTA-FEIRA – 03 DE ABRIL DE 2019

LIBERAÇÃO DO AGROTÓXICO EM SP
A Alesp aprovou hoje o primeiro Projeto de Lei da nova legislatura, o PL 147/18, sobre uso de agrotóxicos no Estado. Em todo o processo, da discussão do PL até sua votação, a bancada do PT criticou a rapidez com que o tema foi levado, não permitindo aprofundamento sobre as lacunas do projeto, colocando-se, por isso, contra o projeto.

Os parlamentares petistas lutaram pela realização de uma audiência pública para debater o PL com outros agentes da sociedade, mas o governo negou essa possibilidade. O PL foi aprovado com votos do PSL se incluindo na base do governador conforme apontaram Paulo Fiorilo e Ênio Tatto

TRANSFOBIA É CRIME
Um crime de ódio, transfobia gerou indignação agora no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo, quando o deputado Douglas Garcia, do PSL, disse à primeira deputada transexual eleita na Casa, Érica Malunguinho, do PSOL, que “se um homem que se acha mulher entrar no banheiro em que estiver minha mãe ou minha irmã, tiro de lá à tapa e depois chamo a polícia”.

O PSOL aponta quebra de decoro parlamentar de Douglas Garcia, quer cassação do mandato do deputado e vai mover uma representação contra ele no Conselho de Ética, assim como a bancada do PT, que na mesma hora tomou decisão da representação.

As deputadas do PT, PSOL e PCdoB foram solidárias e abraçaram Érica no fim da fala de Douglas.
http://bit.ly/transfobia-na-assembleia

CRIMES DE ÓDIO SERÃO REPUDIADOS
Para além do repúdio a discursos ofensivos à liberdade de identidade de gênero, o líder da bancada do PT, Teonilio Barba, afirmou que não serão tolerados comportamentos machistas, racistas e outros.

“Estamos cansados de ver esta Casa sendo vítima de ódio, discriminação”, completou a deputada Márcia Lia na sequência, em sua fala.

POR FALAR EM RACISMO
Uma mulher negra vai comprar sorvete no McDonalds e é colocada para fora do estabelecimento pelo segurança. Foi o que aconteceu na lanchonete mais conhecida do mundo, no início da semana e o que ocorre em tantos outros locais, sem que as empresas sejam punidas devidamente por esse crime.

A denúncia foi trazida a plenário hoje pela deputada Beth Sahão, que tem clareza sobre a responsabilidade da empresa por situações repugnantes como essa, obrigando-a a instruir seus funcionários no combate ao racismo.

DORIA ESVAZIA PAPEL DO ESTADO
“São Paulo elegeu um governador ou um mercador?”, perguntou o deputado Emidio de Souza ao criticar o ímpeto de João Doria, de privatizar de uma só vez seis estatais, por meio do PL 1/2019. O mercador não tem nenhuma política pública propositiva que atenda às reivindicações da população paulista a apresentar.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *