Comissão de DH da Alesp rejeita ‘aplauso’ à Dra. Kenarik Boujikian

Moção que reconhece o trabalho da desembargadora aposentada na defesa dos Direitos Humanos foi proposta pela deputada estadual Márcia Lia

Texto da assessoria de mandato da deputada Márcia Lia

Uma moção de aplauso proposta pela deputada  Márcia Lia à desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Dra. Kenarik Boujikian foi rejeitada por seis votos contra quatro pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, nesta terça-feira, 29. A moção é um reconhecimento ao trabalho da desembargadora em favor dos direitos humanos. Votaram contra os deputados Gil Diniz, Douglas Garcia, Delegado Olim, Altair Moraes, Arthur do Val e Dra. Damaris Moura. A favor, votaram as deputadas Márcia Lia, Beth Sahão, Erica Malunguinho e Adriana Borgo.

Na justificativa, os deputados alegam que Dra. Kenarik é ‘petista, lulista e não gosta do hoje ministro Sérgio Moro’. “Infelizmente a Comissão deixou de homenagear uma mulher de extremo valor para a democracia com argumentos grotescos”, afirma a deputada Márcia Lia. A moção de aplauso foi protocolada em abril deste ano pelas ações da desembargadora aposentada em defesa dos direitos humanos, da soberania nacional e da democracia.

Dra. Kenarik tornou-se conhecida por ser uma das juízas mais atuantes e militantes na defesa dos Direitos Humanos. Foi cofundadora e presidente da Associação dos Juízes para a Democracia, atuou no grupo de trabalho e estudos Mulheres Encarceradas e é conselheira do Fundo Brasil de Direitos Humanos.

Nos anos 80, no auge do surgimento da Aids, foi voluntária no presídio do Carandiru justamente para auxiliar presos portadores do HIV.

“Era o começo da revelação do vírus dentro do sistema prisional e havia muita resistência do Estado em assumir o fato. Havia também resistência dos advogados para atender os portadores do vírus, mas eu aceitei. Lembro-me de ver pessoas morrerem da noite para o dia,” contou a desembargadora em entrevista à Agência Patrícia Galvão. Em 1998, também trabalhou na Procuradoria de Assistência Judiciária (PAJ).

A deputada Márcia Lia reafirma todo respeito e afeto pela coragem, pela sensibilidade e pela altivez da Dra. Kenarik no judiciário brasileiro. “Ela é luz em tempos de trevas. Ela é símbolo de resistência e justiça. Sua atuação deve ser exemplo para todo nosso judiciário.”

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *