Denúncia: representação contra discurso de ódio de Frederico d’Avila emperra na Alesp
Denúncia: representação contra discurso de ódio de Frederico d’Avila emperra na Alesp

Partidos atuam na Assembleia Legislativa para retardar instalação de processo por quebra de decoro parlamentar contra deputado que, da tribuna, xingou o papa, o bispo de Aparecida e a CNBB.

A Conselho de Ética da Assembleia Legislativa voltou a se reunir nesta quarta-feira, 17/11, para tratar da admissibilidade de pedidos de representação contra Frederico d’Avila, por quebra de decoro parlamentar. Em 14/10, o deputado do PSL e representante do agronegócio proferiu, da tribuna da Assembleia Legislativa de São Paulo, discurso de ódio em que chamou o papa Francisco de “vagabundo” e o arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, de “vagabundo” e “safado”, e afirmou que os religiosos são “pedófilos safados” e que a Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) “é um câncer”.

Na reunião desta quarta, a estratégia que visa poupar Frederico d’Avila foi conduzida pelo Delegado Olim (PP) e Adalberto Freitas (PSL), que tumultuaram a reunião, levantando dúvidas sobre os procedimentos adotados pelo Conselho de forma a confundir o colegiado.

São cinco os cinco pedidos de representação contra o Frederico d’Avila protocolados no Conselho de Ética. Na primeira reunião realizada para tratar dos pedidos, na segunda-feira, 8/11, quatro deles receberam pedido de vistas do deputado Wellington Moura (Republicanos), deixando, portanto, de ser apreciados.

Republicanos, PP e PSL quebraram, assim, o acordo de admissibilidade dos processos. Diante de questionamentos, a essa atitude e às tentativas de manobra, apresentados pelas deputadas Marina Helu (Rede) e Erica Malunguinho (PSOL) e pelo deputado Enio Tatto (PT), a reunião foi suspensa. De acordo com a presidenta do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, Maria Lúcia Amary (PSDB), uma consulta será feita à Procuradoria da Assembleia Legislativa para eliminar dúvidas sobre os procedimentos adotados na apreciação dos pedidos de representação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *