Projeção da Abin é de 5.571 mortes no Brasil até 6 de abril

Divulgado em primeira mão pelo The Intercept Brasil, o mais recente relatório sigiloso da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) projeta que 5.571 brasileiros deverão morrer por Covid-19 até 6 de abril – ou seja, em duas semanas. E Jair Bolsonaro sabia disso antes de fazer pronunciamento genocida em rede na terça-feira, 23/3.

Para quem não sabe, a Abin é um órgão da Presidência da República, vinculado ao Gabinete de Segurança Institucional, responsável por fornecer ao presidente da República e a seus ministros informações e análises estratégicas, oportunas e confiáveis, necessárias ao processo de decisão. A Abin tem por missão assegurar que o Executivo Federal tenha acesso a conhecimentos relativos à segurança do Estado e da sociedade, como os que envolvem defesa externa, relações exteriores, segurança interna, desenvolvimento socioeconômico e desenvolvimento científico-tecnológico.

Ou seja, em seu último pronunciamento, em 24 de março, Jair Bolsonaro já tinha acesso ao Relatório da Abin 015/2020, concluído no dia anterior (23/03), às 22h10, e divulgado para os integrantes do Centro de Operações de Emergência – Coronavírus (COE-nCoV) com o carimbo “SIGILOSO”, que aponta por meio de estudos e gráficos, o cenário de mais de 5 mil mortes e 200 mil infectados pelo coronavírus no Brasil até o dia 6 de abril. Ainda assim, o Presidente da República criticou em rede nacional, o fechamento das escolas e dos comércios, voltou a minimizar o Covid-19, ao compará-lo com uma “gripezinha” ou “resfriadinho”, atacou governantes que seguem as orientações da Organização Mundial da Saúde para a contenção da epidemia, culpou a imprensa por causar histeria na população e incentivou a população a voltar à rotina.

Vaza documento secreto da Abin com projeção de 5.571 mortes no Brasil

O Jornalistas Livres alerta para o fato de que, seguindo um caminho para o genocídio de uma parte da população brasileira, Jair Bolsonaro ignorou protocolos mundiais que garantem a saúde da população. Veja a matéria que apresenta números e gráficos extraídos do informe da Abin. Leia a matéria.

Exclusivo: Abin fala em 5,5 mil mortes em 15 dias enquanto Bolsonaro chama Coronavírus de histeria

Intercept informa que os informes da agência são claros ao enfatizar a necessidade de medidas de contenção como a quarentena – medidas essas que são ignoradas ou até criticadas por Bolsonaro, por empresários aliados e assessores do presidente. “Coréia do Sul, Irã e China conseguiram mudar a direção da reta, provavelmente depois da adoção de medidas de contenção”, avalia a Abin no documento mais recente. A agência é comandada pelo ministro Augusto Heleno, do gabinete de Segurança Institucional – uma das vítimas do coronavírus após a viagem do presidente aos EUA. Leia a matéria.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *