É preciso colocar o pobre no Orçamento do Estado de SP
É preciso colocar o pobre no Orçamento do Estado de SP

Na 30ª e última audiência pública para discussão do Orçamento do Estado de São Paulo, o deputado Enio Tatto, membro da Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento, que organiza os debates, destacou a necessidade da prioridade aos mais pobres.

“A gestão tucana no Estado de São Paulo, que está há 30 anos no poder, não gosta de pobre. Cito como exemplo a área da assistência social, que recebeu este ano parcos 0,46% do orçamento. Como cuidar, com poucos recursos, das muitas famílias que perderam o emprego e a casa e foram morar na rua”, perguntou Tatto.

O coordenador da Pastoral do Povo da Rua, padre Júlio Lancellotti, participou da audiência desta quinta-feira, 2/6, que se realizou na sede do Poder Legislativo, pedindo um censo estadual de moradores em situação de rua para balizar ações do públicas para esta população. Ele pediu também que a Assembleia Legislativa vote o PL 726/2021, que veda  barreiras arquitetônicas e de hostilidade aos moradores em situação de rua e reivindicou locação social para essa população.

Padre Júlio agradeceu ao deputado Enio Tatto, pela oportunidade de trazer a pauta da população de rua para dentro da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Metrô Jardim Ângela e trem Varginha, já

A audiência pública desta quinta teve como objetivo colher demandas e sugestões ao orçamento do Estado para 2023 da população da Região Metropolitana de São Paulo. Desde abril, outras 29 audiências foram realizadas nas diversas regiões do Estado.

A comunidade da zona sul da capital esteve representada na audiência pública com a participação do Movimento Trem Varginha Já, fundado em 2007 para organizar a luta que começou em 2001, com a extinção da Fepasa, e que cobra a chegada do trem da Linha 9 – Esmeralda, da CPTM, ao Terminal Varginha.

Também da zona sul vieram para a audiência representantes do Metrô Jardim Ângela Já! , pela extensão da Linha 5 – Lilás, do Metrô, do Capão Redondo ao Jardim Ângela. “A linha, que começou a ser construída há mais de 20 anos, pode atender 1,1 milhão de habitantes da região, além de moradores de Embu das Artes, Embu-Guaçu e Itapecerica da Serra.

Participaram da audiência pública o deputado estadual Dr. Jorge do Carmo (PT) e o deputado federal Nilto Tatto (PT-SP).

Assista à audiência pública:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.