PETISTAS QUEREM QUE GOVERNO GARANTA ORÇAMENTO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA
PETISTAS QUEREM QUE GOVERNO GARANTA ORÇAMENTO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

A deputada Beth Sahão está preocupada com os impactos da queda da arrecadação do Estado sobre o orçamento das universidades públicas paulistas. Ela perguntou, nesta terça-feira, 14/7, à secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, se o governo vai elevar os repasses para minimizar os efeitos da pandemia nessas instituições.

A secretária disse que repasses adicionais só devem ocorrer se forem para cobrir eventuais necessidades de recursos para despesas com pessoal. Acrescentou que o déficit do Estado pode chegar a R$ 20 bilhões, neste ano, e que os remanejamentos orçamentários são da competência das pastas da Gestão e da Fazenda.

Beth Sahão destacou que as universidades públicas desenvolvem pesquisas essenciais que não podem sofrer interrupção. Inclusive projetos diretamente envolvidos no combate à pandemia. A secretária Patrícia Ellen reconheceu dificuldades para situar a ciência e tecnologia como uma prioridade do governo, embora as universidades paulistas estejam envolvidas em duas parcerias internacionais para o desenvolvimento da vacina contra o coronavírus. Segundo ela, um investimento essencial para que se possa avançar na retomada econômica.

Patrícia Ellen participou nesta terça (14/7) da reunião conjunta das Comissões de Atividade Econômica e de Ciência e Tecnologia para fazer a prestação de contas da gestão e das metas da sua pasta, responsável pelos principais programas de geração de emprego e renda e inovação no Estado. Além de coordenar a gestão de dados do Plano São Paulo, que vem implementando a flexibilização regionalizada e faseada da quarentena.

O deputado Paulo Fiorilo questionou a secretária sobre a execução do orçamento da pasta. Segundo ele, até agora, somente 42% do orçamento foi emprenhado. Uma baixa execução, considerando que são recursos dirigidos a programas essenciais para a geração de emprego, como é o caso do Banco do Povo. Fiorilo também cobrou ações emergenciais, como a criação de frentes de trabalhos.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *