Proteção e direitos da juventude do interior de São Paulo

21/06/2018

INTERIOR EM PAUTA

Crédito:

Seminário “Desigualdades e desafios no interior de São Paulo” traz grupo de palestrantes formado por psiquiatra, padre, conselheira tutelar e outros para debater vivências e entendimentos sobre políticas públicas – ou sua ausência – destinadas a jovens.

Como vivem, o que querem e quem assegura os direitos dos jovens do interior do Estado de São Paulo? Se mesmo na capital os jovens padecem com a carência de políticas públicas que os encaminhem para o mercado de trabalho e educação de qualidade, como será que andam essas questões, e como são trabalhadas, no interior do Estado?

O padre Agnaldo Soares Lima trouxe ao seminário, que ocorreu na Assembleia Legislativa do Estado na terça-feira, 19/6, suas experiências à frente do Núcleo de Atendimento Integrado (NAI) na cidade de São Carlos. Junto do juiz João Baptista Galhardo, o padre implantou o NAI em 2001, depois de atuar por quase 10 anos na execução de medidas socioeducativas em São Carlos.

“Resolução de problemas complexos não existem sem soluções integradas (…) Quando há um adolescente diante de mim quero saber quem ele é, qual sua realidade, para definir a ação social. As necessidades definem a atuação dos diferentes atores de modo a responder de forma efetiva e eficaz ao conjunto das necessidades da criança e do adolescente”, relatou o padre.

O padre Agnaldo defendeu a integração das forças de Segurança com Ministério Público, Judiciário, Defensoria, local Socioeducativo (onde jovem cumpre pena), dentre outros para melhor proveito das ações e políticas voltadas aos jovens.

Ele coloca experiências do NAI como preventivas e completa: “Se intervenção é rápida, evita que adolescente siga na criminalidade”.

UMA REDE DE PROTEÇÃO AO JOVEM EM JABOTICABAL

Luciene Borges de Souza Giz é conselheira tutelar na cidade de Jaboticabal. Veio ao seminário explicar a atuação da Rede Social de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente de Jaboticabal.

O grupo formulou uma agenda de inclusão dos jovens que contempla, entre muitos outros pontos, prevenção contra drogas. O grupo se encontra mensalmente e a Rede se insere no calendário de eventos da cidade.

PERIGOS DE ASSOCIAR VIOLÊNCIA E USO DE DROGAS

O psiquiatra e ex-secretário nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), Leon Garcia, falou da perigosa associação que as pessoas costumam fazer entre jovens envolvidos com drogas, que precisam de tratamento de saúde, e violência.

Para ele, esta é uma visão simplista da questão. Uma “armadilha”, pois muitos se aproveitam dela não para resolver a questão, mas somente para pôr a população em pânico.

A VISÃO DOS JOVENS SOBRE O ASSUNTO

Representando os jovens, Gabriela Guedes, do Levante Popular da Juventude, lembrou que estava ali levando a voz dos jovens “que dão duro” todos os dias. Desassistidos pelo Estado, levantam na madrugada para ir ao trabalho, locomovendo-se por horas, em vez de dedicarem-se aos estudos.

“O Levante acha que as políticas públicas estão subordinadas ao projeto que queremos construir. O PSDB está há décadas no poder apostando em sucateamento e provatizações”, criticou Gabriela, dando “nome aos bois”, ou seja, colocando a falta do desenvolvimento de políticas públicas para jovens como consequência ou determinação dos mais de vinte anos do governo tucano em São Paulo.

 O seminário “Desigualdades e desafios no interior de São Paulo” foi idealizado pela líder do PT, deputada Beth Sahão, com apoio de toda a Bancada de deputados do PT. A deputada, que é da cidade de Catanduva, tem procurado trazer questões e demandas do interior do Estado para o Legislativo paulista.

Na parte da manhã, o seminário tratou do tema agricultura. Confira aqui: http://www.pt-assembleia-sp.org/mobile/?p=noticia&id=9228#.WywVY59v_qA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.