PT questionará falta de transparência no leilão do aeroporto de Congonhas
PT questionará falta de transparência no leilão do aeroporto de Congonhas

A líder do PT, deputada Márcia Lia, recebeu o Sindicato Nacional dos Aeroportuários e a Associação dos Moradores do Entorno do Aeroporto de Congonhas e comprometeu-se, em nome da bancada do partido na Assembleia Legislativa de São Paulo, a acionar o Ministério Público do Estado e buscar meios legais para suspender o leilão para concessão do aeroporto de Congonhas, marcado para 18/8.

A falta de transparência e de informações que cerca o processo de privatização do aeroporto de Congonhas, situado na capital paulista, foi foco da reunião da líder da bancada do PT, deputada Márcia Lia, com representantes do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) e da Associação dos Moradores do Entorno do Aeroporto de Congonhas, nesta terça-feira, 2/8.

Promovido pelo governo federal por meio do Ministério da Infraestrutura, o leilão da sétima rodada de concessões de aeroportos está previsto para acontecer no próximo dia 18/8 e, além do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, o mais movimentado do país, inclui outros 14 terminais. De acordo com informações divulgadas pela impresa, fontes do governo Bolsonaro dão como certo que Grupo CCR, que já arrematou a rodovia Nova Dutra, deverá levar também o bloco que inclui Congonhas, já que apenas essa empresa apresentou interesse firme na disputa.

Francisco Luiz Xavier de Lemos, presidente do Sina, denuncia a falta de informação sobre quais elementos técnicos estariam norteando o processo de privatização que está sendo conduzido mesmo com a licença ambiental do aeroporto vencida. Ele destacou, ainda, a pressa do governo federal na realização do leilão. O sindicato já protocolou uma petição junto ao Ministério Público do Estado de São Paulo e ao Ministério Público Federal, questionando o modo como vem sendo feita a privatização de um ativo federal.

Os sindicalistas afirmam que é preciso alertar a sociedade que a concessão deve promover um aumento de 36% nas operações do Congonhas, com um salto no número de passageiros por ano, dos atuais 24 milhões para 36 milhões. E denunciam a não apresentação de estudos sobre o impacto ambiental, do aumento do tráfego aéreo e do nível de ruído para a região em que se localiza o aeroporto. Dirigente do Sina no aeroporto de Congonhas, Severino Antonio de Macedo destacou também a vulnerabilidade em que são colocados os aeroportuários, trabalhadores que responderão criminalmente por eventuais acidentes decorrentes do aumento das operações.

Para o presidente da Associação dos Moradores do Entorno do Aeroporto de Congonhas, Edwaldo Sarmento, a privatização sem embasamento técnico e transparência é temerária.

A deputada Márcia Lia informou que a bancada acionará o Ministério Público Estadual e buscará meios legais de suspender o leilão.

1 Comment

  1. Luiz Alexandre Lara
    03/08/2022 at 08:38

    A eterna falta de transparência acompanhada da ausência de participação do administrador público municipal num debate desse. A Prefeitura que “contém” o aeródromo, não é chamada a opinar, com a presença dos seus técnicos urbanistas.&

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.