CENA POLÍTICA – TERÇA-FEIRA, 11 DE FEVEREIRO

PROFESSORES TEMPORÁRIOS

A deputada Professora Bebel disse que o início do ano letivo demonstra que a mobilização dos professores precisa ser permanente. Ela fez menção à ação da Apeoesp para impedir  a imposição por parte do governo de novas regras para atribuição de aulas. Segundo a deputada, os professores temporários precisam ter contratação digna, que lhes permita mais estabilidade e acumular pontos para prosseguir na carreira. Bebel também falou sobre o encontro que o Papa Francisco vai promover com professores e educadores, no Vaticano, em 14 de maio.

 

MENOS ESTÉTICA, MAIS CUIDADO COM O MEIO AMBIENTE

A deputada Beth Sahão falou sobre o caos e as tragédias causados pelas enchentes ocorridas nesta segunda-feira, 10/02, na capital, nas cidades da região metropolitana e no interior de São Paulo. A parlamentar atribui responsabilidade ao governo do Estado e às prefeituras por suas ações e omissões. “Faltam investimentos em ações de precaução e obras de drenagem. Ao mesmo tempo, há grandes somas de recursos dirigidas a obras de canalização e urbanização sem critérios técnicos. Todo mundo sabe que as inversões climáticas vão causar cada vez mais chuvas intensas. Não precisamos de obras urbanas com finalidade estética, mas sim de soluções ambientais duradouras, estruturais e adequadas às necessidades urbanas. Faltam compromisso e competência”, finalizou.

 

SÃO BERNARDO EMBAIXO D’ÁGUA

O deputado Luiz Fernando Teixeira reagiu às provocações feitas pela líder do PSDB, deputada Carla Morando. Ele protestou pelo fato de a esposa do atual prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, subir à tribuna da Alesp para atacar a administração petista. “Em nenhum momento, a deputada Carla Morando se solidarizou com as famílias vitimadas pelas chuvas. Restringiu-se a falar do governo anterior, que fez obras de drenagem fundamentais para cidade. O fato é que São Bernardo ficou em baixo de água e uma pessoa morreu. A cidade está suja, sem varrição, com graves deficiências na coleta de lixo. E o próprio prefeito confessou que a prefeitura esqueceu-se de ligar a bomba para levar as águas ao piscinão.”

 

FESTIVAL DE FORÇAÇÃO DE BARRA

Na discussão do projeto de lei que estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no Estado, a Professora Bebel disse: o que estamos assistindo aqui é a exclusão das pessoas trans das competições esportivas. Com argumentos religiosos, os defensores da proposta vão na contramão do que a sociedade civil contemporânea construiu: dar voz a essas pessoas para conquistarem seu espaço de direito. Segundo a parlamentar, os argumentos de caráter pseudocientífico apresentados pelo autor do projeto e seus aliados foram uma grande forçação de barra.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *